Rússia

Número de óbitos superou o pico da 2ª onda na Rússia, que é o país com mais vítimas da Europa. Já a Austrália tem sido um exemplo na pandemia. Mas ambos sofrem com uma vacinação lenta.

O avanço da variante delta tem provocado uma piora da pandemia em diversos países. A Rússia registrou nesta terça-feira (29) um recorde diário de mortes por Covid-19 e a Austrália determinou o confinamento de quase 10 milhões de pessoas (cerca de 40% da população do país).

Leia mais: Deputada do PSOL lamenta morte de Lázaro, mas acaba se dando mal

A Rússia registrou 652 mortes por Covid-19 e mais de 20 mil casos confirmados nas últimas 24 horas. O pico anterior da pandemia havia acontecido no fim de dezembro, no auge da segunda.

Moscou, principal foco de contágios e mortes do país, registrou 121 óbitos e São Petersburgo, 119. A segunda maior cidade da Rússia receberá na sexta-feira (2) uma partida das quartas de final da Eurocopa, entre Suíça e Espanha.

Autoridades da Finlândia revelaram na segunda-feira (28) que cerca de 300 torcedores que voltaram ao país após assistir aos jogos do torneio de futebol em São Petersburgo testaram positivo.

A variante delta (antes conhecida como variante indiana) é uma das quatro cepas de preocupação global (VOCs, na sigla em inglês). As outras 3 são a alfa (variante britânica), a beta (sul-africana) e a gama (brasileira ou P.1).

Ela é mais contagiosa e reduz a eficácia das vacinas contra a Covid-19, principalmente se a pessoa tomou apenas uma dose (veja no vídeo abaixo a preocupação causada pela variante delta).

A Rússia tem oficialmente 134.545 mortes causadas pelo coronavírus e é o país mais afetado da Europa. Mas a agência de estatísticas Rosstat, que contabiliza também os óbitos decorrentes da Covid-19, já contabilizava quase 270 mil vítimas no fim de abril, há dois meses.

Quase 90% dos novos casos em Moscou são provocados pela variante delta, segundo o prefeito da capital russa, Serguei Sobianin. A cidade está atualmente com 75% dos leitos para Covid-19 ocupados e adotou as primeiras restrições em quase seis meses.

A capital russa voltou a determinar o trabalho remoto para ao menos 30% das pessoas não vacinadas, passou a obrigar a vacinação dos funcionários do setor de serviços e criou um “passaporte” para permitir a entrada em restaurantes.

Vacinação lenta

Tanto a Rússia quanto a Austrália ainda sofrem com campanhas de vacinação lentas contra a Covid-19. Os russos desconfiam da Sputnik V, usada em dezenas de países em todo o mundo, apesar dos reiterados apelos do presidente Vladimir Putin.

O país é 14º que mais aplicou doses de vacinas contra a Covid-19 no mundo, segundo o “Our World in Data”, projeto ligado à Universidade de Oxford.

Foram 38,7 milhões, o que coloca a Rússia à frente do Canadá (36,2 milhões) e atrás da Espanha (39,9 milhões). O número equivale a 26,5 doses a cada 100 habitantes, patamar semelhante ao de Belize (26,6) e Bulgária (25) e muito inferior à média mundial (38,5).

Na Austrália, o pressionado primeiro-ministro Scott Morrison anunciou que a vacinação será obrigatória para funcionários de instituições que cuidam de idosos e dos centros de quarentena.

Quase 7,4 milhões de doses foram administradas no país, o equivalente a 28,9 doses a cada 100 australianos, patamar um pouco superior ao da Rússia. O governo também é criticado por não divulgar o número de pessoas totalmente vacinadas.

Um minuto, por favor…

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras custa tempo e dinheiro. Nós, do DEOLHO News, temos o compromisso diário de levar até os leitores conteúdos críticos, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Se você acredita no nosso trabalho, apoie da maneira que puder ou, se preferir… Faça uma Doação CLICANDO AQUI

Compartilhe