Jane Cherubim é espancada, largada seminua e desmaiada na estrada

Jane Cherubim é espancada

Jane Cherubim é espancada, largada seminua…

O principal suspeito do crime é o namorado da vítima. Ao Gazeta Online, o irmão da vendedora narra o desespero ao encontrá-la: “Foi a coisa mais horrível que aconteceu na minha vida”, diz. Jane Cherubim é espancada…

Leia mais: Anitta e Neymar beijam muito e fotos mostram os dois juntos

Uma cena de horror que se repete. Nos últimos dias, a imagem da paisagista Elaine Caparroz, de 55 anos, agredida pelo estudante de Direito Vinícius Serra, de 27 anos, chocou o Brasil. Nesta segunda-feira (4), tamanha violência volta a acontecer, desta vez, na pacata Pedra Menina, em Dores do Rio Preto, Região do Caparaó, no Espírito Santo.

A vítima, a vendedora Jane Cherubim de 36 anos, saiu por volta das 3h da madrugada da cervejaria da família, onde trabalhava no carnaval com o namorado Jonas Amaral, de 34 anos. Os dois estavam juntos há pouco mais de um ano.

Horas depois, ela foi encontrada pelos irmãos perto de uma curva, seminua, desmaiada e torturada, na estrada que dá acesso ao Parque Nacional do Caparaó pelo Estado.

Nesta terça-feira (05), internada em um hospital de Carangola, cidade mineira perto de Dores do Rio Preto, ela ainda não fala, não enxerga e tem marcas de roxo por todo o corpo.

Jane Cherubim é espancada
Jonas Amaral, acusado de espancar a namorada em Dores do Rio Preto. Ele está foragido

Infelizmente, Jane não foi a única mulher agredida neste feriado de carnaval no Estado. No domingo, a jovem Maikelly Rodrigues da Silva, de 28 anos, foi encontrada morta, amarrada, sem roupas e com cinco tiros na cabeça na Serra. Na madrugada de segunda, um ex-marido ateou fogo na casa da ex e quatro pessoas precisaram pular do segundo andar para escapar das chamas.

DEPOIMENTO

Sem conseguir dormir e tirar da cabeça as imagens da irmã, que achou estar morta de tão machucada, o empresário Cleiton Cherobin, 33 anos, conversou com a reportagem do Gazeta Online sobre os detalhes que antecederam o crime, como a encontrou e como era a relação de Amaral com a família. “O cara era muito, muito atencioso. Só tinha um porém: ele era ciumento ao extremo”. Abaixo, Cleiton descreve o terror que ainda estão passando.

O que aconteceu?

Eles estavam trabalhando à noite junto comigo. A noite toda todo mundo bem, trabalhando. Quando foi perto de 3 horas da manhã, fomos embora. A gente desce à direita para Espera Feliz (MG) e ele não desceu. Ele subiu para Forquilha do Rio. A minha esposa comentou comigo o que o Amaral iria fazer lá uma hora dessa.

Ele estava com a sua irmã no carro.

Sim. Temos filmagens, temos tudo. Os dois saindo do trabalho e entrando no carro. Subiram para estrada Parque. Aí a minha esposa fez o comentário. Aquilo me preocupou. Resolvi ligar para a minha irmã. Liguei duas vezes e ela não atendeu. Ela não era de fazer isso, aí que eu fiquei mais preocupado ainda. Fui ligando, ligando e ele atendeu o celular dela. Muito nervoso, falando que ele tinha brigado com ela, e ela tinha jogado a chave do carro fora, que ele queria a chave para ir embora. Eu falei para ele se acalmar e perguntei onde ele estava. Ele disse que estava perto de Espera Feliz no asfalto. Eu falei que ia buscá-lo, ele disse que não precisava e imediatamente desligou o telefone.

O que você fez?

Virei o carro e fui para Espera Feliz. Rodei a cidade toda, fui na casa da minha irmã, porque ela mora em Espera Feliz. Ela não estava, só estava o filho dela dormindo. Ele acordou e entrou comigo no carro. Fui à Delegacia de Espera Feliz. Voltamos e fomos para a casa do pai do agressor. Aí ele ligou querendo falar com o pai dele. O pai dele ficou gritando: ‘Não faz isso não, Amaral. Volta pra casa’. Eu acho que naquele momento ele já tinha confessado para o pai dele que tinha agredido a minha irmã. Eu voltei para Pedra Menina. Antes disso, chamei o meu irmão no sítio dele. A minha esposa foi com o meu carro e eu no carro com o meu irmão. Subi para a Forquilha do Rio. Quando estava subindo, encontrei outro funcionário que entrou no carro para ajudar a gente.

Cena de horror.

A gente andou uns quatro quilômetros subindo. Quando a gente saiu de uma curva, ela já estava espichada no meio da rua. Toda ensaguentada, seminua, sem calcinha, toda ralada, o rosto todo deformado, sangue, a orelha dela toda inchada, cabeça toda cortada, as unhas.

Toda destruída. E o carro dele estava logo na frente abandonado. Eu acho que ele achou que ela estava morta, colocou ela no meio da estrada, perto de uma curva, para alguém vir de carro, não ver e atropelar. Mas Deus foi tão bom que eu achei ela. Coloquei ela no carro e levei para o hospital.

Ela estava acordada ou desacordada? Conseguiu falar alguma coisa?

Não. Ela não tem como falar. Ela estava desmaiada. Nem hoje ela consegue falar. Você não tem noção. Ela está com o nariz quebrado, a boca toda cortada. Ela tinha um rosto fininho. Vou te mandar uma foto de antes e outra dela agora.

A gente pode usar as imagens para mostrar com ela está?

Claro! A gente precisa prender esse vagabundo. A gente precisa alertar outras mulheres. Gente, essas meninas estão perdidas. Se viu que o companheiro é agressivo, chato, enjoado, ciumento, larga. Sai fora. Não fique correndo risco de vidaIrmão da vítima

Ele já tinha algum histórico de agressão, algum comportamento estranho?

Não. A gente abraçou ele na família como se fosse um irmão. O cara era muito generoso, bacana. Muito atencioso. Só tinha um porém: ele era ciumento ao extremo. A minha irmã é muito bonita e ele é um cara feio. Então ele era muito ciumento. A gente ouvir dizer que ele já bateu em outra mulher, mas a gente não sabia disso, a gente só ficou sabendo agora.

Jane Cherubim é espancada
Foto com declaração de amor publicada no Instagram do principal suspeito de ter agredido namorada no Caparaó

Eles estavam juntos há quanto tempo?

Acho que por volta de um ano.

O filho dela não é dele?

Isso. É de outro relacionamento.

Ele é da região?

Ele é de Espera Feliz, Minas.

O que você sentiu quando viu a sua irmã naquela situação?

Simplesmente achei que a minha irmã estava morta. Senti uma aflição muito grande. Minha irmã estava toda ensaguentada. Foi a coisa mais horrível que aconteceu na minha vida.

Não consigo dormir. Aquele filme fica na minha mente. O sentimento é de como pode ter uma pessoa tão brutal, tão sem amor ao próximo para fazer uma crueldade dessasIrmão da vítima

A única coisa que pensei foi em pegá-la e socorrê-la. Levamos para o hospital de Espera Feliz e hoje ela está em Carangola, que é um hospital melhor.

Qual é o estado de saúde dela?

Estável. Ela não conversa, respira por aparelho, ela não enxerga, está com o nariz quebrado. Está com o pescoço todo roxo porque ele tentou estrangulá-la. Não tem uma parte do corpo dela que não esteja roxa ou ralada, porque ele esfregou ela no calçamento pra todo ladoIrmão da vítima

Eu nunca tinha visto isso com a gente. Nossa família é muito querida, humilde, conhecida. É inacreditável a gente passar por isso. É difícil demais.

INVESTIGAÇÃO

A polícia pediu a prisão de  Jonas Amaral pela suspeita de ter espancado a namorada. A briga teria sido motivada por ciúmes.

De acordo com o delegado Ricarte Teixeira, um dos irmãos da vítima acompanhado de um advogado foi ouvido e contou que a briga pode ter sido motivada por ciúmes. Os dois trabalham em uma loja de calçados em Espera Feliz (Minas Gerais) e durante o carnaval estavam trabalhando em uma cervejaria na localidade.

“Ele disse que o casal saiu de lá por volta das 3h, mas como ele teve um mal pressentimento começou a ligar para o telefone dela, mas não estava conseguindo falar. Até que eles se falaram e o suspeito disse que haviam brigado aparentemente por ciúmes. Ela foi encontrada caída na estada após 1h30 mais ou menos”, contou o delegado.

O vendedor vai responder pelo crime de tentativa de feminicídio e pode pegar até 20 anos de prisão. A vendedora permanece internada na Casa de Caridade de Carangola em Minas Gerais.

Compartilhe