Teatro de Lauro de Freitas passará a se chamar CCTC

Teatro de Lauro de Freitas

Teatro de Lauro de Freitas

O ano de 2019 marca os 30 anos de falecimento do saudoso poeta Tude Celestino de Souza (25 de junho de 1921 – 21 de julho de 1989), uma das mais marcantes personalidades da cultura local e patrono da noção de Identidade Ipitanguense. Teatro de Lauro de Freitas

Teatro de Lauro de Freitas

Para celebração de sua memória, algumas ações relevantes serão realizadas e, dentre elas, está prevista a atribuição do nome do poeta ao antigo Cine Teatro de Lauro de Freitas, tornando-o Centro de Cultura Tude Celestino – CCTC. A proposição é de iniciativa do célebre historiador e imortal da ALALF – Academia de Letras e Artes de Lauro de Freitas, Prof. Gildásio Freitas, amigo e contemporâneo do boêmio Tude, que sugeriu essa homenagem desde a data de partida do poeta.

Agora, após reiteradas tentativas de intervenção junto aos órgãos competentes, num esforço conjunto, que envolve representações institucionais como a ALALF e CMPC – Conselho Municipal de Políticas Culturais, será apresentada indicação de autoria do vereador Fausto Franco solicitando ao governador Rui Costa a medida de atribuição do nome de Tude Celestino ao teatro que abrigara as diversas edições do festival A Noite do Poeta e o Prêmio de Poesia Tude Celestino.

A indicação seguirá, via Assembléia Legislativa – ALBA, com apoio da deputada Mirela Macedo, a fim de reiterar o pleito já aclamado pela classe cultural, que reconhece nesta iniciativa uma medida reparatória de nossa memória e de celebração de nossas referências locais.

Além da notória relação do poeta com aquele espaço durante os anos de sua intensa atuação cultural, a pertinência da sugestão do nome de Tude Celestino para o centro de cultura de Lauro de Freitas se ampara na tradição governamental, em todo o estado, de homenagear personalidades exponenciais de cada localidade em denominações de equipamentos públicos, especialmente, centros de cultura – como ocorre em Juazeiro, no Centro de Cultura João Gilberto, em Feira de Santana, onde se reverencia Amélio Amorim ou Vitória da Conquista, com o Centro de Cultura Camilo de Jesus Lima, além de Santo Amaro, com o Teatro Dona Canô.

Tude Celestino de Souza se dedicou com ênfase especial à poesia e à boemia. Contudo, enquanto intelectual, marcou em sua obra uma postura veemente pela preservação das referências históricas do antigo distrito de Ipitanga ou mesmo da Freguesia de Santo Amaro do Ipitanga, fazendo com que seu nome esteja, ainda hoje, frequentemente relacionado à celebração das pertenças de identidade do território ancestral. Tude Celestino teria sido, segundo consta, o primeiro autodeclarado Cidadão Ipitanguense.

O poeta que reverenciou nossa história e memória é agora reverenciado por sua história e estará, assim, preservado em nossa memória.

Por: Tina Tude

Atriz, educadora e ativista pela salvaguarda das pertenças de identidade do território ancestral de Ipitanga. Filha, herdeira intelectual e interprete da obra do poeta Tude Celestino de Souza, fundadora da cadeira Tude Celestino de Souza na ALALF – Academia de Letras e Artes de Lauro de Freitas e Titular da cadeira de Revisão Historiográfica, Memória e Identidade no CMPCLF – Conselho Municipal de Políticas Culturais de Lauro de Freitas.

Fonte: Folha Popular

Compartilhe