Record terá que exibir programas sobre religiões de matriz africana

Record terá que exibir programas sobre religiões de matriz africana

Record terá que exibir programas sobre religiões de matriz africana

Após 15 anos de batalha judicial, a Record, do bispo Edir Macedo, finalmente aceitou um acordo e terá que exibir em sua programação 4 programas de cunho educativo sobre religiões de matriz africana; emissora foi condenada por intolerância religiosa. Record terá que exibir programas sobre religiões de matriz africana.

Leia mais: Vaza fotos de jovem morta pelo companheiro durante visita íntima

Depois de uma batalha judicial que durou 15 anos, a Record, emissora do bispo Edir Macedo, finalmente aceitou um acordo proposto pela Justiça e terá que exibir em sua programação, como direito de resposta, programas educativos sobre religiões de matriz africana.

O processo foi aberto em 2004 pelo Ministério Público Federal (MPF) junto com o Centro de Estudos das Relações de Trabalho e da Desigualdade (CEERT) e o Instituto Nacional de Tradição e Cultura Afro Brasileira (Intercab). A motivação foram programas evangélicos da emissora que depreciavam as religiões de matriz africana, como Umbanda e Candomblé. Condenada pelo Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF3) por racismo institucional em abril de 2018, a empresa do bispo Macedo recorreu e, agora, entrou em um acordo, que acabou atenuando os efeitos da condenação.

A princípio, a Record e a Record News, emissora por assinatura pertencente à rede de Macedo, haviam sido condenadas a exibir oito programas sobre religiões de matriz africana, com uma hora de duração cada, em ambos os canais. O acordo firmado nesta quarta-feira (30), no entanto, estabelece que sejam apenas quatro programas, com 20 minutos de duração cada, a serem exibidos apenas na Record News.

Mesmo assim, Daniel Teixeira, coordenador de projetos do Ceert, considerou o acordo uma “vitória”. “É uma grande vitória poder mostrar a riqueza de valores religiosos que o país tem e passar uma mensagem de paz entre as crenças e contra a intolerância religiosa”, afirmou. A Record, por sua vez, ainda não se pronunciou.

Os programas, que deverão priorizar conteúdos informativos e culturais que abordem aspectos como origem, tradições, organização, rituais e outros elementos das religiões, serão produzidos pelas duas entidades autoras da ação e todos os custos deverão ser arcados pela própria Record.

Record terá que exibir programas sobre religiões de matriz africana

A exibição do direito de resposta deverá acontecer, de acordo com a Justiça, ainda no primeiro semestre deste ano.

Compartilhe