Menino de 10 anos comete suicídio após os pais não conseguirem comprar uma mochila

Menino de 10 anos comete suicídio

Menino de 10 anos comete suicídio

Uma criança de apenas 10 anos de idade por nome Daniel Cordeiro Bernardo cometeu suicídio através de enforcamento em Vila Palmares, Distrito de Theobroma, Rondônia. O sinistro aconteceu na Linha 06 – Lagoa Nova (Linha C-50) na zona rural da cidade de Theobroma, na noite desta última sexta-feira (31). Menino de 10 anos comete suicídio

Veja também: Repórter Zé Bim é acusado de estuprar menino de 5 anos

Segundo informações o menino ficou descontente porque os pais não conseguiram comprar uma bolsa da escola que ele queria e tirou sua própria vida.

Veja também: Jogada no sofá, Bruna Marquezine empina o bumbum com fio-dental

Veja também: Evangélica, Carla Perez põe fio-dental e mostra corpão

Um irmão teria notado a ausência dele e começado a procurar, momento em que encontrou ele pendurando por uma corda. “Ele ainda cortou a corda e no desespero abraçava o corpo do irmão, chamando pelo nome e tentando reanima-lo, mas infelizmente ele já estava morto”.

A polícia militar do Distrito de Palmares esteve no local isolando a área e aguardando a chegada da perícia técnica para os trabalhos periciais.

Suicídios de crianças e adolescentes cresce 10% no Brasil.

Assim como adultos, crianças e adolescentes também estão sujeitos aos impactos das doenças mentais. E as consequências mais graves podem ser vistas no crescimento dos casos de suicídios desta faixa etária ao longo dos últimos anos, no Brasil.

O aumento alerta também para os sinais que pais, professores e profissionais da saúde estão deixando passar despercebidos, e que poderiam ajudar na redução dos números.

O caso que aconteceu nesta quarta-feira (13) , quando dois adolescentes encapuzados mataram 6 pessoas dentro da Escola Estadual Raul Brasil, de Suzano (SP), e cometeram suicídio em seguida, acende o alerta sobre a questão.

Falar sobre depressão e suicídio, de forma adequada, contribui para que crianças e adolescentes sintam-se abertos a discutirem o assunto com seus pais, caso achem que estão, de alguma forma, ameaçados. Da mesma forma, os pais se sentem mais empoderados a perceber os sinais e a escutarem os seus filhos.

Compartilhe