Adolescentes fazem sexo com cadáver de idosa de 84 anos

Adolescentes fazem sexo com cadáver

Adolescentes fazem sexo com cadáver

Dois adolescentes foram apreendidos na cidade de Digos, na Filipinas, por desenterrarem o corpo de uma idosa de 84 anos e praticarem sexo com o cadáver.

Veja também: Andressa Urach revela que já dormiu com 7 homens em um dia

Segundo o The Sun, os menores foram apreendidos após denúncia dos parentes da idosa. A família viu que o túmulo estava violado quando fazia uma visita.

Ela foi enterrada no dia 29 de setembro e, segundo relatos da família, as pernas dela estavam para fora do caixão. O corpo também estava sem as roupas íntimas.

Ainda segundo a publicação, os adolescente teriam aberto o túmulo atrás de bens que pudessem ter algum valor comercial. O caso será investigado.

O que é Necrofilia?

Alguns comportamentos sexuais chocam, e não é moralismo. Você sabe, por exemplo, o que é Necrofilia? Não estranhe caso nunca tenha ouvido falar, o assunto é pouco discutido. Ficou interessado? Fique aqui porque vamos esclarecer tudo para você!

Necrofilia: Parafilia sexual desconhecida e perturbadora

A Necrofilia, do grego nekrós (cadáver) e philia (amor), é a excitação e prática sexual com cadáveres. A simples ideia desse contato sexual causa imenso prazer aos portadores deste distúrbio. A patologia está dividida em três categorias:

  • Necrofilia comum: prática do ato sexual com pessoas mortas;
  • Necrofilia homicida: quando o doente mata para fazer sexo com suas vítimas;
  • Necrofilia fantasiada: a relação não é consumada, mas as fantasias são constantes e excitantes.

Para o psiquiatra forense Rui Sampaio, que trabalhou no Instituto de Criminalística de Curitiba, as causas da Necrofilia são traumas de infânciarelacionados ao sexo. A teoria ganha força com o perfil de um necrófilo interno no Hospital De Custódia e Tratamento Psiquiátrico de Franco da Rocha (São Paulo), publicado na Revista Brasileira de Psiquiatria. O homem de 49 anos brincava com caixões na infância e foi violentado na juventude. O paciente abriu uma sepultura para colocar um cabo de vassoura em um cadáver feminino de 82 anos.

Um outro caso, mundialmente famoso, é de Carl Tanzler. O técnico em radiologia alemão radicado nos Estados Unidos se apaixonou por uma paciente no hospital da Marinha onde trabalhava. A moça morreu de tuberculose e teve o funeral pago por Tanzler, que ainda construiu um mausoléu. O homem retirou o corpo e levou para casa e mantinha relações sexuais com ela. O caso foi descoberto por Florinda, irmã de Maria, que foi até a residência de Tanzler após ouvir boatos. Florinda denunciou à polícia, que prendeu o necrófilo.

O que diz a lei sobre a necrofilia?

Necrofilia não é estupro, pois a vítima não está viva. O distúrbio é enquadrado no artigo 210 do Código Penal que compreende a violação ou profanação de sepultura ou urna funerária. Mas, se o cadáver ainda for mutilado, a necrofilia está enquadrada como vilipêndio de cadáver, crime previsto no artigo 12 do Código Penal. Mesmo se houver mutilação, o autor é punido com reclusão de um a três anos ou multa.

Outra medida que pode ser tomada é a internação psiquiátrica, algo não aprovado por Rui Sampaio. Segundo o psiquiatra, os necrófilos têm total consciência dos seus atos. Rui defende a internação somente se o autor tiver outros distúrbios psicológicos associados.

Compartilhe