“Saía fogo do rosto dela”, diz irmã de mulher atacada com ácido

mulher atacada com ácido

Mais uma mulher atacada com ácido

Segundo a irmã da vítima, ela era agredida frequentemente e já chegou a ser queimada pelo ex-companheiro.

A mulher que teve químico jogado no rosto pelo ex-companheiro, em Nova Descoberta, na Zona Norte do Recife, sofria agressões constantemente, segundo a família. A irmã da vítima contou que o crime aconteceu depois que ela largou o trabalho. A mulher subia uma escadaria, para ir à casa da mãe, quando foi abordada pelo suspeito e o comparsa dele. Mais uma mulher atacada com ácido.

Leia mais: Foto chocante mostra homem decapitado e com o coração enfiado na boca

Leia mais: Menina de 6 anos é estuprada pelos pais e por mais 4 vizinhos

Leia mais: Homem enfia copo de vidro no próprio ânus e o pior acontece

Todo mundo que estava na escadaria foi ajudar ela. Botaram água, porque disseram que estava saindo fogo do rosto dela”, contou a irmã da vítima. Ela contou ainda que a mulher sofria agressões e ameaças frequentes. Ela chegava em casa com marcas. Tinha uma vez que ela chegou com queimadura em casa. Dessa última vez, ele começou a ir ao trabalho dela, ficar no estacionamento.

Estado de saúde

A mulher foi socorrida para o Hospital da Restauração, no bairro do Derby, onde segue internada, em estado grave.

O caso

Um homem jogou ácido no rosto da ex-mulher no bairro de Nova Descoberta, na noite dessa quinta-feira (4). Segundo testemunhas, o casal teve um relacionamento de 4 anos e se separou  recentemente, há cerca de três meses, mas o homem não aceita o fim da relação.

#UmaPorUma

A violência contra a mulher é constante e frequentemente acaba em tragédia. Existe uma história para contar por trás de cada feminicídio, em Pernambuco. O especial Uma por uma contou todas. Em 2018, o projeto mapeou  onde as mataram, as motivações do crime, acompanharam a investigação e cobraram a punição dos culpados. Um banco de dados virtual, com os perfis de vítimas e agressores, além dos trágicos relatos que extrapolam a fotografia da cena do crime.

Compartilhe