Rui diz que Bolsonaro foi eleito pelo voto e tem direito de organizar governo como quiser

Rui diz que Bolsonaro foi eleito pelo voto

Rui diz que Bolsonaro foi eleito pelo voto

O governador Rui Costa (PT) preferiu não fazer críticas em relação à estrutura de governo do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL), que reduziu o número de ministérios de 29 para 15 com fusões de importantes pastas, a exemplo da incorporação do Ministério do Meio Ambiente ao Ministério da Agricultura.

Leia mais: Briga entre alunas termina em tragédia! “Quebrou o pescoço dela”
Leia mais: Vaza suposto vídeo do jogador do São Paulo assassinado fazendo sexo com mulher de traficante
Leia mais: Mulher comete suicídio após ser exposta pelo marido em rede social

Indo de encontro ao que seus aliados, a oposição, vêm fazendo, Rui pregou cautela e frisou que Bolsonaro foi legitimado pelo voto e tem direito de organizar seu governo do jeito que achar melhor. O governador reeleito disse preferir se concentrar no desafio das mudanças de estrutura do seu novo governo.

“Não quero comentar montagem, cabe ao presidente eleito organizar da forma que ele e o Congresso nacional entenderem. Ele foi legitimado pelo voto popular e tem que organizar o governo do jeito que achar melhor e é isso que vou fazer aqui. Quero me concentrar aqui nas ações do governo.

O meu desafio já é grande o suficiente para, além de acumular a minha função de governador acumular a função de comentarista político. Então, prefiro não usurpar essa tarefa dos jornalistas, radialistas e ate dos parlamentares, que tem função de fazer esse debate. Prefiro me concentrar agora, findadas as eleições, no desafio que tenho de fazer mudanças na estrutura do meu governo”, afirmou em conversa com a imprensa durante a inauguração do Centro de Quimioterapia do Hospital da Mulher, na manhã desta quinta-feira (1º).

Porém, afirmou que se posicionará a favor da Bahia sempre, se necessário for. “Vou defender a Bahia como sempre fiz. Ontem, por exemplo, estava em Brasília buscando que o Supremo julgue ações antigas relacionadas à Bahia, como o Salário Educação que estava na pauta desde 2012. A nossa defesa é pela distribuição perca pita pelo número de matrículas no estado”, afirmou, enfatizando que julgamento foi marcado para o dia 22 de novembro.

Fonte: Bocaonews

Compartilhe