Lauro de Freitas

Lauro de Freitas: Prefeitura e edis, deixam crianças passando fome no município

“Se não fossem esses alimentos que estou pegando aqui na escola em Lauro de Freitas, a gente ficaria passando necessidade em casa. Nessa pandemia, além de desempregados, estamos todos parados em casa. Recebi o kit de uma filha e amanhã vou pegar da minha menina da creche e de um outro filho”.

Esse é o relato da  mãe de um aluno que recebeu os Kits alimentares no mês de março do ano passado, mas parece que essa novela de entrega ou não entrega dos kits Alimentares nesse ano de 2021, está longe de um final feliz.

A distribuição dos kits pela Prefeitura Municipal de Lauro de Freitas, região metropolitana de Salvador, foi iniciada em 2020, nas unidades de ensino infantil para cerca de 28 mil estudantes, que estavam com aulas suspensas por conta da pandemia do Coronavírus (COVID-19).

No entanto, um projeto de lei criado nesse mesmo ano, cita que a distribuição dos Kits Alimentação, se estenderiam até o final da pandemia, porém, a prefeitura descumpriu o próprio decreto em não entregar os alimentos as crianças e adolescentes do município em 2021. Lembrando que os casos de óbitos devido a pandemia, infelizmente, ja chegam aos 254.

Alguns poucos vereadores dos 21 que foram eleitos, estão solidários a uma das causas de maior necessidade básica das pessoas: a alimentação. Mas parece que a maioria dos edis estão pouco se importando com a miséria que pais e mães de família estão vivendo com a falta desses suprimentos.

Próprio de uma política exclusivamente partidária em que a ordem é: o poder pelo poder, maioria da casa legislativa cruza os braços e silenciam suas vozes antes bastante audíveis em época de campanha.

Alguns poucos vereadores da casa legislativa, estão solidários às mais de 28 mil crianças e adolescentes e, já deram entrada com representação no Ministério Publico para que seja cumprida a lei 1.873 criada em 27 de março de 2020, em que determina a permanência da distribuição dos kits alimentares enquanto perdurar a emergência de saúde de importância Internacional ocasionada pela Covid-19, classificada pela OMS  (Organização Mundial de Saúde), como pandemia.

Em momentos difíceis como esse, é de suma importância a união de todos os vereadores com o uso de suas atribuições que é o de fiscalizar as ações do executivo, para que seja cumpridas as leis em resolver ou, ao menos ajudar a diminuir o sofrimento desse povo, deixando de lado ideologia partidária em prol de uma causa: proteger as crianças do nosso município.

Para uma cidade com renda 3 vezes mais por pessoa em comparação a cidade de Salvador e, que arrecada mais de 700 milhões de reais por ano, além de verbas federais no combate ao coronavírus, dizer que falta dinheiro para alimentação emergencial, é motivo de piada.

Compartilhe