PM mata reféns em assalto a banco durante ação policial, diz mãe 

PM mata reféns em assalto a banco durante ação policial

PM mata reféns em assalto a banco durante ação policial

A mãe da esteticista Francisca Edneide da Cruz Santos, 49, morta durante ação policial para impedir assalto a agências bancárias em Milagres (CE), afirmou que o disparo que levou a vida da filha partiu de um dos policiais militares. Outras cinco pessoas da mesma família foram mortas na operação, além de oito suspeitos de tentar roubar Bradesco e Banco do Brasil na cidade. PM mata reféns em assalto a banco durante ação policial.

Leia mais: Briga entre irmãos para namorar uma JUMENTA acaba em tragédia 

A polícia chegou atirando, sem olhar que éramos reféns, como se todos fossem bandidos. Foi tão rápido que senti minha pele arder com os estilhaços, mas não tinha visto que minha filha tinha levado um tiro. O assaltante não atirou, ele tinha dito que não ia nos machucar, que só precisaria da gente para uma missão”, disse ao UOL Maria Larilda Rodrigues, agricultora.

Leia mais: Filho esquarteja o próprio pai e usa o cadáver como “rack” de TV

Ela afirma que os policiais alvejaram a parte frontal do veículo em que ela e a filha Francisca eram mantidas reféns. Segundo o relato, os suspeitos não haviam disparado. Quatro marcas de tiro estampam o carro agora.

A pasta disse que “as circunstâncias da ocorrência estão sendo investigadas pela Polícia Civil. Mais informações serão repassadas em momento oportuno para não comprometer o andamento dos trabalhos investigativos”.

O grupo usou um caminhão para bloquear um trecho da BR-116, próximo à ponte do riacho Tamanduá, em Milagres (CE). Eles pararam dois carros por volta das 2h da madrugada da última sexta-feira (7) que vinham do aeroporto de Juazeiro do Norte (CE) e fizeram nove reféns: cinco pessoas de uma família que seguia para Serra Talhada, no sertão de Pernambuco, e quatro que viajavam para Brejo Santo, na região do Cariri do Ceará.

Com os reféns, a quadrilha se dividiu em grupos e uma parte foi até Milagres, onde tentou assaltar as agências do Banco do Brasil e do banco Bradesco. Mas foram surpreendidos pela polícia.

Maria Larilda Rodrigues contou que ela e a filha Francisca Edneide da Cruz Santos foram colocadas em um carro, enquanto o marido e o filho seguiram em uma caminhonete com outros assaltantes. O marido de Maria Larilda passou mal e foi liberado junto com o filho no meio do caminho.

“Eu estava sem acreditar que estávamos naquela situação porque estávamos muito felizes em ter ido buscar nossa filha no aeroporto pra passar o Natal conosco. Quando vimos o caminhão atravessado na estrada eu pensei: ‘Deus tenha misericórdia de nós’”, disse Rodrigues.

Após Francisca ser baleada, relata a agricultora, os criminosos fugiram pelo mato. Rodrigues contou que tentou estancar o sangue da filha, mas “ele jorrava igual uma torneira aberta.” Ela disse que pediu socorro, mas não teve ajuda.

“O sangue fervia saindo do buraco da bala e pela boca da minha filha. Eu gritando pedindo ajuda e um policial chegou perto colocando a mão na cabeça vendo que éramos inocentes. Fiquei três horas na estrada pedindo ajuda e minha filha morreu nos meus braços”, relatou agricultora.

Neste sábado, o Ministério Público Estadual do Ceará informou que procurador-geral de Justiça, Plácido Rios, designará um grupo de promotores para monitorar a investigações para que sejam esclarecidas como ocorreram as mortes dos seis reféns. A Promotoria de Justiça da Comarca de Milagres já está acompanhando as investigações junto à Polícia Civil.

Fonte: blogdacidadania

Compartilhe