Padrasto estupra enteada de 4 anos diz que ela o provocava

Padrasto estupra enteada de 4 anos

Padrasto estupra enteada de 4 anos. A mãe da vítima instalou câmeras e flagrou o crime. O pedófilo teve a prisão preventiva decretada.

Um pedófilo, identificado pelas iniciais P.E.O., de 35 anos, confessou ter estuprado a enteada de apenas quatro anos e alegou, em depoimento à Polícia Civil, que a menina o provocava a cometer os crimes sexuais. Padrasto estupra enteada de 4 anos

Leia mais: Homem de 58 anos estupra as 6 filhas em Alagoas

Ele foi descoberto e denunciado pela mãe da criança, que instalou câmeras no quarto após suspeitar do marido. Após registrar o crime, ele foi preso em flagrante, na última quarta-feira (26), em Sinop (480 km de Cuiabá).

A juíza Rosângela Zacarkim dos Santos, da 1ª Vara Criminal de Sinop, decretou que a prisão fosse convertida para preventiva, na audiência de custódia.

Leia mais: Menina de 6 anos é estuprada pelos pais e por mais 4 vizinhos

Leia mais: Homem enfia copo de vidro no próprio ânus e o pior acontece

O estuprador foi detido em seu trabalho. Em interrogatório, ele inicialmente negou o crime, mas após assistir as imagens gravadas pela esposa esposa, assumiu os estupros e tentou culpar a criança.

Conforme a Polícia Judiciária Civil, em depoimento a mãe disse que começou a desconfiar da violência sexual porque a filha apresentou mudanças em seu comportamento.

Ela pediu para que sua amiga e vizinha conversasse com a menina, que contou estar sendo vítima de abuso. A criança relatou que o padrasto mostrava o pênis para ela e tocava sua genitália.

Foi então que a mãe instalou câmeras no quarto da criança e flagrou o estupro. Ela foi até a Delegacia de Polícia (Depol) e denunciou o marido.

A magistrada considerou que o pedófilo é de periculosidade social e avaliou que ele se aproveitou da condição de padrasto para cometer o abuso.

P.E.O. foi encaminhado para detenção na Cadeia Pública de Sinop.

O inquérito da PJC foi concluído e o abusador indiciado pelo crime de estupro de vulnerável, com agravante por ser praticado por pai ou padrasto.

Compartilhe