Mulher mata namorado e serve o corpo a dezenas de pessoas como alimento

Mulher mata namorado e serve o corpo a dezenas de pessoas

Mulher mata namorado e serve o corpo a dezenas de pessoas

De acordo com a Promotoria, a carne do parceiro foi usada por ela para preparar um prato conhecido como machboos

Uma marroquina foi presa nos Emirados Árabes Unidos sob acusação de ter matado o namorado, esquartejado o corpo e prepará-lo para servir em um tradicional prato da culinária local. A vítima estava desaparecida havia três meses. Mulher mata namorado e serve o corpo a dezenas de pessoas…

Leia mais: Menina de 17 anos é leiloada no Facebook em troca de vacas, carros e dinheiro

Na busca, o irmão dela encontrou um dente humano no processador de carne que a marroquina usava para preparar refeições para dezenas de funcionários paquistaneses de uma empresa no emirado de al-Ain.

Leia mais: Não dormi à noite, diz PM após prender pai que abusava das filhas de 9 e 10 anos
Leia mais: Padrasto filma enteada de 13 anos tomando banho! Veja 

De acordo com a Promotoria, a carne do namorado da marroquina foi usada por ela para preparar um prato conhecido como machboos, contou reportagem do “Metro”. À polícia, a marroquina, que não teve a identidade revelada, contou ter matado o namorado, com quem estava havia sete anos, em um “momento de insanidade”.

 

Mulher mata namorado e serve o corpo a dezenas de pessoas
prato conhecido como machboos

Não é de hoje que aparecem histórias arrepiantes de canibalismo, em que nossos semelhantes devoram a carne do próximo.

O fato é que a antropofagia existe desde que a humanidade é humanidade – a prática remonta sociedades ancestrais e ocorre até nos tempos atuais. Abaixo relacionamos alguns dos casos mais recentes e assustadores que vieram à tona.

em 2012, a polícia prendeu três pessoas no Brasil acusadas de fazer empanadas de carne humana – e, em seguida, vendê-las. O trio de canibais foi condenado à prisão pela morte de três mulheres. Os assassinos comeram partes dos corpos das vítimas e usaram o resto para fazer as tortas de carne, que foram vendidas na cidade de Garanhuns (PE). O líder do grupo justificou o ato como uma “purificação para proteger as pessoas e entregá-las a Deus.”

Compartilhe