Após repercussão sobre morte brutal do cachorro, justiça toma séria decisão

cachorro

Caso do cachorro assassinado no Carrefour

O caso do cachorro que foi agredido de maneira covarde no supermercado Carrefour continua repercutindo nas redes sociais. Um empregado de uma empresa terceirizada da rede de supermercados acabou se envolvendo numa grande polêmica.

Leia mais: Concurso da PM/BA confirmado para 2019 com limite para 35 anos

O homem é suspeito de matar o cachorro a pauladas. O fato aconteceu na semana passada, na quarta-feira (28), no município de Osasco, região metropolitana do estado de São Paulo.

De acordo com pessoas que presenciaram o fato, o segurança teria envenenado o cachorro. No entanto, o animal não morreu de imediato e por esse motivo ele golpeou o bichinho por várias vezes. A agressão aconteceu dentro do supermercado.

O Departamento de Fauna e Bem Estar Animal, da cidade de Osasco, foi acionado para prestar socorro ao animal que estava ferido. Assim que foi socorrido, o cachorro foi levado para o atendimento emergencial. No entanto, conforme informado pelo órgão, o animal não resistiu à gravidade dos ferimentos e morreu.

Apuração dos fatos

O caso foi encaminhado à Delegacia de Polícia de Investigações Sobre o Meio Ambiente e Setor de Produtos Controlados Seccional de Osasco. Seis pessoas que presenciaram os fatos prestarão depoimento e o homem suspeito de cometer a atrocidade já foi identificado.

O Carrefour emitiu uma nota de esclarecimento sobre o caso. O supermercado admitiu o problema ocorrido dentro do estabelecimento em Osasco e reconheceu o problema. Porém, a rede responsabilizou a empresa terceirizada pelo triste episódio que levantou o debate sobre os direitos dos animais.

Justiça toma decisão

Com a grande repercussão do caso nas redes sociais e a revolta da população devido à crueldade praticada contra o cachorro, o MP de São Paulo decidiu agir. Um inquérito foi instaurado na tarde da última quarta-feira (5). O caso está sendo investigado pela Polícia Civil. Marco Antônio de Souza, promotor responsável pelo caso, afirmou que o inquérito foi instaurado pois foi recebido um grande número de representações.

De acordo com o texto, o promotor está considerando que é dever do estado proteger os animais.

Compartilhe