Miss Bumbum baiana Erika Canela tatua Bolsonaro naquele lugar

Miss Bumbum baiana Erika Canela tatua Bolsonaro

Miss Bumbum baiana Erika Canela tatua Bolsonaro naquele lugar

A baiana Erika Canela, 27 anos, surpreendeu os fãs novamente ao fazer uma caricatura do presidente Jair Bolsonaro no corpo. A musa, que venceu o concurso brasileiro Miss Bumbum em 2016, disse que “as tatuagens representam uma fase da minha vida, acredito que a tatuagem do Bolsonaro representará essa mudança para o Brasil, vale homenagem eterna”. Miss Bumbum baiana Erika Canela tatua Bolsonaro

Miss Bumbum baiana Erika Canela tatua Bolsonaro

A ex-Miss Bumbum já havia causado polêmica com riscos no corpo após a vitória de Donaldo Trump, presidente dos Estados Unidos. Assim como agora, ela tatuou uma caricatura de Trump e virou assunto em vários tabloides ao redor do mundo.

Miss Bumbum baiana Erika Canela tatua Bolsonaro

De acordo com a gata, tanto Trump quanto Bolsonaro são claramente seus representantes. “Tenho certeza que ele [Bolsonaro] aprova esta homenagem”, destacou Erika.

A vencedora do Miss Bumbum 2016, a baiana Erika Canela, batalhou muito para conquistar o título de um dos concursos de beleza mais disputados do Brasil. A primeira negra a levar a faixa de bumbum mais perfeito da nação, que recentemente foi vítima de preconceito por usar cabelos loiros, desde nova sempre gostou de pintar os fios e resolveu compartilhar imagens de como era antes da fama.

Ela garante ter pés no chão e não se ilude com a fama: “Se não me quis Fusca, não vai me pegar Ferrari”, decreta a beldade, que já participou de mais de 100 concursos desde sua infância. “Esta era a minha última tentativa para conseguir uma faixa. Sempre fui acompanhada da minha mãe em todos os concursos da minha vida, inclusive no Miss Bumbum”.

Erika também conta que tocar piano sempre foi uma das suas paixões e sempre participou como organista da Igreja Universal Cristã do Brasil, conhecida popularmente como Igreja do Véu, onde homens sentam de um lado e mulheres do outro no templo religioso. “Me considero evangélica, não mudei minha essência”, resume ela.

Compartilhe