Michael Jackson “casou” com menino de 9 anos e abusou de 20 crianças, revela documentário

Michael Jackson “casou” com menino de 9 anos e abusou de 20 crianças

Amigos, familiares, fãs e representantes de Michael Jackson estão revoltados com o documentário “Leaving Neverland”, lançado recentemente no Festival de Cinema de Sundance. A produção revela vários escândalos envolvendo o Rei do Pop, a exemplo de um “casamento” com um menino de nove anos.

Leia mais: Pai estupra filha de 13 anos com a conivência da própria mãe

Conforme conteúdo do documentário, divulgado pelo jornal britânico, ‘The Sun’, a cerimonia teria sido realizada no rancho Neverland, onde o astro viveu por anos isolado e recebia com frequência visitas de crianças, a maioria meninos, e teve até troca de alianças.

Agora com 40 anos, o “noivo” de Michael na época, Jimmy Safechuck, revela em depoimento à produção que além das alianças, tanto ele quanto Michael fizeram votos matrimoniais, assim como declarações de amor e certificados de casamento.

Safechuck ainda conta que no rancho de Neverland há muitos quartos, salas e cômodos secretos que só o cantor tinha acesso, e que eram utilizados pelo astro para prática de abusos com crianças que lhe visitavam. Ele ainda lembrou que em uma viagem acompanhando Michael em turnê, quando tinha 10 anos, o músico o treinou para se vestir rapidamente para que os dois não fossem pegos no flagra.

Michael Jackson
Michael Jackson e Jimmy Safechuck

Além da participação de Jimmy Safechuck, o filme apresenta depoimentos de advogados que trabalharam nos processo movidos contra o astro enquanto ele ainda estava vivo. Segundo eles, o astro chegou a pagar 200 milhões de dólares a pelo menos 20 vítimas de abuso.

Em comunicado divulgado nesta segunda-feira (28), os detentores do espólio de Michael Jackson se dizem furiosos com a produção e que ela provocou um “linchamento público” no astro: “Michael sempre dava a outra face, e sempre demos a outra face quando as pessoas foram atrás de membros de nossa família. Esse é o jeito de Jackson. Não podemos apenas ficar de pé enquanto este linchamento público continua. Michael não está aqui para se defender. Caso contrário, as acusações não teriam sido feitas”.

Compartilhe