Menina de 17 anos é leiloada no Facebook em troca de vacas, carros e dinheiro

Menina de 17 anos é leiloada no Facebook

Menina de 17 anos é leiloada no Facebook e transição foi rápida. Quando a rede social foi tomar providências, já haviam batido o martelo.

De acordo com um levantamento realizado pela OMT (Organização Mundial do Trabalho), o tráfico humano movimenta cerca de U$S 32 bilhões por ano no mundo. Em países da África, o tráfico de pessoas é, infelizmente, algo corriqueiro – tão corriqueiro que já tomou o Facebook. Na última terça-feira, 20, tornou-se de conhecimento público que uma jovem de 17 anos foi leiloada na rede social em outubro. Menina de 17 anos é leiloada no Facebook

Leia mais: Não dormi à noite, diz PM após prender pai que abusava das filhas de 9 e 10 anos
Leia mais: Padrasto filma enteada de 13 anos tomando banho! Veja 
À direita na foto, a jovem Nyalong.

De acordo com as investigações, a garota, que mora no Sudão do Sul, foi anunciada pelos próprios pais em troca de cerca de 500 vacas, € 8.700 e 3 carros. O anúncio foi logo notificado pelo Facebook, mas a negociação foi rápida e já havia sido feita.

A adolescente, chamada Nyalong, foi comprada por um empresário local e se tornou a 10ª esposa dele. As precárias condições de vida no Sudão estimulam famílias a cometerem tal crime, mesmo que a grana envolvida não seja das maiores. Para muitos moradores da região, qualquer quantia já faz uma grande diferença – e muitos pais acreditam que a filha comprada vai conseguir ter uma vida melhor depois da transação.

A Líbia é outro país da África em que o tráfico humano é uma realidade. Muitas ONGs locais e até mundiais tentam monitorar a situação, para que a realidade mude, mas parecem não dar conta. A transação de Nyalong ganhou a mídia não só por ter sido feita via Facebook, mas também por ter sido uma das mais caras.

Ao fazer buscas na internet sobre o caso, não é raro encontrar comentários como esse abaixo, que escancaram a sociedade machista em que vivemos, que contribui para a cultura do estupro e para o tráfico de mulheres, que são tratadas como meros objetos.

Compartilhe