Lauro de Freitas

Segundo a prefeitura de Lauro de Freitas , estão suspensas tanto a aplicação da primeira como a da segunda na quinta-feira (27).

A prefeitura de Lauro de Freitas, cidade que fica na região metropolitana de Salvador, suspendeu aplicação de vacinas contra a Covid-19 na quinta-feira (27) por falta de imunizantes.

Segundo a prefeitura, além da 1ª dose, a 2ª também estará suspensa no município, que aguarda a chegada de mais lotes para retomar a vacinação. Nesta quarta-feira (26), foram feitas aplicações de 2ª dose da vacina Astrazenca, na quadra da Escola 2 de Julho, na Itinga.

Até o momento, 18.935 pessoas já completaram o ciclo de imunização (1ª e 2ª dose) contra a Covid-19 em Lauro de Freitas. Entre as vacinas Coronavac, Astrazeneca e Pfizer, o vacinômetro da Secretaria Municipal de Saúde (SESA) registrou, nesta quarta, 65.170 doses de vacinas aplicadas nos grupos prioritários.

Com relação à primeira dose, 46.235 pessoas iniciaram o ciclo vacinal com uma das três vacinas. Deste número, 24.484 correspondem ao imunizante Astrazenca, 17.284 a Coronavac e 4.467 a Pfizer.

Veja também: Ex-atriz pornô Mia Khalifa se pronuncia após associação a CPI da Covid: ‘Não sou médica’

Segundo o secretário Municipal de Saúde, Augusto César Pereira, o município ainda registra um déficit de pessoas que não compareceram para tomar a segunda dose dos imunizantes.

“Já poderíamos ter ultrapassado a casa de 20 mil imunizados se todas as pessoas com data de segunda dose tivessem comparecido. Hoje, temos um déficit de quase 1.200 pessoas que deixaram de comparecer, porque esqueceram, viajaram, ou estão doentes no momento”, disse.

Em Lauro de Freitas, estão permitidos as aplicações de primeira dose em pessoas acima de 60 anos; pessoas com comorbidades acima de 18 anos; profissionais da educação; trabalhadores de transporte públicos; guarda municipal e agentes de trânsito; taxistas e mototaxistas; gestantes, lactantes e puérperas; pessoas com deficiências; quilombolas e indígenas; pessoas em situação de rua, dentre outros, além dos profissionais de saúde.

Compartilhe