Eva Luana

Eva Luana relata rotina de monstruosidade do padrasto

Uma estudante de 21 anos usou o Instagram, há dois dias, para contar a rotina de monstruosidade que viveu ao lado da mãe por conta do padrasto. Moradora de Camaçari, na região metropolitana de Salvador (BA), ela fez o desabafo depois que o homem foi, enfim, preso. Os textos de Eva Luana impressionam por contar os abusos que sofria na mão do agressor.

Nos relatos, Eva conta que ela e a mãe foram torturadas e violentadas pelo padrasto por vários anos. A jovem disse que tentou denunciar o homem quando tinha 13 anos, mas que por conta de falhas do Estado precisou retirar a queixa. “Fui obrigada a retirar a queixa por ameaças do meu padrasto. Ele utilizou o poder financeiro pra comprar a liberdade e comprar a minha alma. Porque ali eu perdi a minha alma. E o que eu fui denunciar, 1 ano de sofrimento, se multiplicou em mais 8 anos”, escreveu.

Em meio à rotina de medo, a estudante chegou a ser obrigada a comer o próprio vômito, além de abortar por várias vezes depois de ser estuprada pelo homem. “Ele me agredia nos estupros, mas depois de um tempo, só utilizou das ameaças contra a minha família. Eu era usada como um lixo. Já abortei diversas vezes. Nunca pude ir ao médico pra fazer curetagem. Todas as vezes sangrava e passava mal a noite inteira. Já vi os bebês inteiros no vaso sanitário. Eu era chamada de burra, anta, doente, demente todos os dias, e era obrigada a repetir isso pra mim mesma”, relata.

No texto, Eva ainda conta que resolveu denunciar o padrasto novamente porque era matar ou morrer. “(…) ou ele mataria ou eu me mataria. Tentei me suicidar várias vezes com cortes e remédios. Eu contei a verdade pois não aguentava mais”, desabafou.

De acordo com o Ministério Público da Bahia (MP-BA), uma denúncia foi oferecida contra o suspeito no dia 11 de fevereiro, por todos os crimes narrados pela vítima. Eva foi ouvida na delegacia de atendimento à mulher de Camaçari no dia 8. Uma medida de busca e apreensão de provas contra o homem foi cumprida no mesmo dia da prisão

Cinco promotoras atuam no caso que corre em segredo de justiça, entre elas Anna Karina Senna, substituta na 10ª Promotoria de Justiça de Camaçari. A jovem Eva está sob proteção judicial e tem recebido apoio nas redes sociais.

Está preso desde a última quarta-feira, 13, o padrasto da jovem Eva Luana, moradora do município de Camaçari, que afirmou através de suas redes sociais, ter sido abusada durante mais de oito anos, pelo suspeito.

Em entrevista na manhã desta quarta-feira, 20, para repórter Dani Oliveira, do programa Bahia No Ar, a titular de Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher de (DEAM/Camaçari), delegada Florisbela Rodrigues, afirmou que o suspeito já foi ouvido e apenas alegou que as denúncias contra ele, são mentirosas. O homem permanecerá detido a disposição da Justiça.

Entenda o caso:

Na tarde desta terça-feira, 20, a estudante de Direito, Eva Luana, moradora da cidade de Camaçari, revelou através de suas redes sociais que sofreu por mais de oito anos, uma série de abusos praticados por seu padrasto. Segundo Eva, a mãe dela também foi vítima dos mais diversos tipos de violência.

Em um total de cinco postagens, a jovem relata momentos de crueldade, terror e humilhação pelos quais foi submetida ao longo dos anos, a exemplo de ter que dormir na casa do cachorro, comer o próprio vômito, ser espancada de todas as formas, sair despida na rua durante a madrugada, além de ser torturada psicologicamente.

Compartilhe