Enteada corta o padrasto todo de faca após discussão em família

Enteada corta o padrasto todo de faca após discussão em família

Enteada corta o padrasto todo de faca após discussão em família

Na tarde de ontem, terça-feira 27 de novembro de 2018, por volta das 16h:30min, socorristas do Siate de Foz do Iguaçu foram acionados para deslocarem até a Rua Amor Perfeito, cruzamento com a Rua Malva Rosa, no Conjunto Habitacional Popular Bubas, região do Porto Meira, para darem atendimento a uma vítima de FAB (ferimento por arma branca).

Leia mais: Direitos Humanos manda prender jovem que agrediu assaltante

Enteada corta o padrasto todo de faca após discussão em família

No local foi socorrido a vítima identificada como sendo Adalmir Lemes, de 45 anos de idade, que apresentava perfuração por arma branca nas costas. A vítima foi encaminhada ao Pronto Socorro do Hospital Municipal.

Leia mais: Menina pode ter sido estuprada pelo ex e mais dois antes de morrer, suspeita a polícia

Segundo informações, a facada teria sido desferida pela enteada da vítima em um bar próximo.

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado aprovou, nesta quarta-feira (29), um projeto que torna crime o porte de arma branca, como facas, canivetes e estiletes.

Segundo a proposta aprovada, “constitui crime, punível com detenção, de um a três anos, e multa, o porte de artefato perfurante, cortante ou contundente com a finalidade de praticar crime”.

O projeto tem caráter terminativo, ou seja, seguirá para análise da Câmara dos Deputados sem a necessidade de análise do plenário do Senado, a menos que algum senador apresente recurso.

Ao apresentar o projeto, o senador Raimundo Lira (PMDB-PB) justificou que, após a instituição do estatuto do desarmamento, em 2003, “bandidos passaram a empregar armas brancas para cometer crimes”.

O projeto não deixa claro o que ocorrerá caso uma pessoa seja flagrada com arma branca, sem o intuito de praticar crimes. Lira ressaltou que o texto apenas criminaliza o porte para quem tem o intuito de praticar crimes.

Enteada corta o padrasto todo de faca após discussão em família

Segundo o senador, tanto profissionais que utilizam objetos cortantes em seus ofícios, como pessoas comuns que andam com facas para comer, por exemplo, não serão criminalizados. A proposta não criminaliza o porte de artefatos perfurantes “para emprego em ofício, arte ou atividade para o qual foi fabricado”.

Compartilhe