‘Ele batia na gente e só parava quando via sangue’, diz mulher que vivia em abrigo de pastor 

abrigo de pastor 

Mulher que vivia em abrigo de pastor faz denúncia

Eddy de Jesus foi preso, nesta quarta (16), por agressões físicas e psicológicas contra mulheres e crianças atendidas em abrigo para dependentes químicos, no Cabo.

“Esse homem é um psicopata, é um monstro. Ele batia na gente e só sossegava quando via sangue escorrendo”. São com essas palavras que uma das mulheres que estava internada na casa de recuperação Chácara Jovem Resgate descreve o Pastor Edy de Jesus. Ele foi preso, nesta quarta-feira (16), suspeito de praticar violência física e psicológica, no Cabo de Santo Agostinho, no Grande Recife no abrigo de pastor.

Leia mais: Cortar luz por falta de pagamento é proibido em todo território brasileiro

Na terça-feira (15), doze pessoas prestaram depoimento, sendo nove mulheres e três crianças, que relataram as agressões vividas no abrigo. Segundo a Polícia Civil, o local não tinha autorização para funcionar.

Para a jovem de 22 anos, que não quis se identificar, os cinco meses de internamento na chácara foram traumáticos.

“Eu passei noites de terror lá. Estou muito assustada com essa situação. O que ele fazia com a gente, não se faz nem com um bicho. Ele é muito agressivo. ‘Dava’ de mangueira, de barrote. Ele já agrediu até meus dois filhos, um de 5 e um de 3 [anos]”, afirma a vítima.

A irmã dela, de 20 anos, também passou pela unidade de tratamento. Ela conta que apanhou, ficou sem comer e foi obrigada a dormir em um quarto sem luz e com cobras.

“Lá era um tratamento, mas nem parecia. A gente deveria ser tratada e não maltratada. Eu era uma das vítimas que ia para o quatro das cobras. Eu já passei dois dias lá sem comer e sem lâmpada. Ele batia na minha cara, eu fui algemada e tudo”, diz a jovem.

abrigo de pastor 

Vítima de maus-tratos em abrigo administrado por pastor no Grande Recife diz que apanhava e ficou dois dias sem comer

As duas explicam que eram ameaçadas para não contar aos parentes o que acontecia. Quando o contrariavam, elas relatam que apanhavam e recebiam castigos, como proibição de visitas ou ligações.

“Quando nossa família chegava, a gente não tinha nem oportunidade [de contar o que acontecia], porque ele ameaçava que se a gente falasse, a gente ia pagar quando nossa família saísse”, diz uma das vítimas.

A mãe das garotas conta que ninguém esperava que algo assim pudesse acontecer e que as filhas estão traumatizadas. A família pede justiça.

“Na frente da gente, ele demonstrava ser uma ótima pessoa. Mas tudo é uma farsa. Ele não é pastor, é um impostor. Já chorei muito, pedi muito perdão a Deus, porque eu botei minhas filhas lá para se tratarem, se recuperarem e saírem bem. Não para serem maltratadas e espancadas”, afirma.

Segundo a Polícia Civil de Pernambuco, as investigações tiveram início a partir de informações repassadas pelo Conselho Tutelar do município, na segunda-feira (14).

abrigo de pastor 

Dependentes químicos denunciam agressão e tortura psicológica em casa de recuperação

Resposta

Em visita da equipe da TV Globo à Chácara Jovem Resgate, na terça-feira (15), o pastor Eddy de Jesus, fundador do Ministério Pentecostal, explicou que o tratamento no local era feito “só com orientação espiritual”.

O religioso negou qualquer tipo de ameça ou maus-tratos, especialmente usando cobras. Segundo ele, as serpentes entravam no local usando árvores próximas ao telhado. Eddy de Jesus ainda afirmou que o único castigo adotado dentro da casa era de se recolher.

Compartilhe