CPF cancelado em Itinga! PM é recebida a tiros por mais de 20 bandidos

CPF cancelado em Itinga

CPF cancelado em Itinga!

Após denúncia anônima que apontou cerca de 20 bandidos armados, neste domingo (31/03), na localidade do Quingoma, em Itinga, equipes da Rondesp RMS e 81 CIPM deslocaram para o local indicado, onde houve um primeiro confronto. A ação aconteceu por volta das 19h45. CPF cancelado em Itinga

Leia mais: Quem tem carro roubado pode pedir devolução do IPVA! Saiba como

De acordo com a fonte do Informe Baiano, o grupo, ao perceber a presença da Rondesp, correu sentido um matagal e acabou cercado por policiais do Peto (Pelotão Especial). Novamente, os marginais atiraram contra os militares, que reagiram.

Leia mais: ‘Não aguentava mais apanhar’, diz vizinha do jovem suspeito de matar o pai da PM

Um homem identificado como Luan Macaco foi ferido e acabou socorrido para o Hospital Menandro de Farias, sendo constatado o óbito. Uma pistola 9 mm e uma pequena quantidade de drogas foram apreendidas na ação que foi registrada na Corregedoria Geral da Polícia Militar.

O município de Lauro de Freitas, localizado na Região Metropolitana de Salvador (RMS), ocupa o 5º lugar no ranking das cidades mais violentas do país, de acordo com os dados do Atlas da Violência, divulgados nesta sexta-feira, 15, pelos Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

Conforme o levantamento que se refere ao ano de 2016, a cidade registrou a taxa de 99,2 homicídios para a cada 100 mil habitantes. Para a Organização das Nações Unidas (ONU), taxas acima de 10 por 100 mil habitantes são consideradas epidêmicas.

Segundo o Atlas, entre as cinco cidades mais violentas do país, quatro são na Bahia. Além de Lauro de Freitas, os municípios de Eunapólis, Porto Seguro, Simões Filho também estão no ranking.

O levantamento trouxe os indicadores dos 309 municípios brasileiros que possuíam populações acima de 100 mil habitantes em 2016. Os Dados foram produzidos com base no Sistema de Informação do Ministério da Saúde.

Compartilhe