Casal de lésbicas desfigura rosto do filho de 2 anos! “Todos os dentes quebrados”

Casal de lésbicas desfigura rosto do filho de 2 anos

Casal de lésbicas desfigura rosto do filho de 2 anos

A polícia prendeu um casal de lésbicas nesta quarta-feira (16), acusadas de agredir e desfigurar o rosto de uma criança de apenas 2 anos, filha de uma delas. Gabriela Elias da Silva, de 29 anos, e Larissa Rodrigues da Silva, de 20, mantêm um relacionamento e moram juntas. Casal de lésbicas desfigura rosto do filho de 2 anos

Leia mais: Avó obriga netas a ter relações ‘até doer’ em culto ao Diabo e castigo é infernal

De acordo com a polícia, elas praticaram repetidos castigos físicos à X (a criança), que, em fotos, aparece com os olhos inchados, ferimentos na boca e dente quebrado.

As versões apresentadas pelas duas à polícia são conflitantes. Uma delas chegou a afirmar ainda que a forma delas de torturar e agredir a criança é o jeito “Supernanny” de educar – referindo-se ao programa de televisão, exibido até 2011 pelo SBT, onde uma babá percorre o país ajudando a reeducar crianças com problemas de comportamento.

Dados da Secretaria de Direitos Humanos do Ministério da Justiça mostram que, a cada dia, são registrados em torno de 200 casos de violência contra crianças no Brasil.

Quem comete esses crimes está sujeito a punições previstas em lei. Veja quais são as formas de agressão e as penas aplicadas para quem as comete.

Violência física 

Machucar criança ou adolescente, causando-lhes lesões, ferimentos, fraturas, mordidas, queimaduras, hemorragias, escoriações, traumatismos, lacerações, arranhões, inchaços, hematomas, mutilações, desnutrição e até a morte. Para esse crime, o Código Penal prevê detenção de dois meses a um ano ou multa. Caso o fato resulte em lesão corporal grave, a pena sobe para reclusão de um a quatro anos. Em caso de morte, a reclusão é de quatro a 12 anos.

Tortura: ato de constranger a criança com emprego de violência ou grave ameaça causando-lhe sofrimento físico ou mental. A pena varia entre dois e oito anos, aumentada de um sexto até um terço por tratar-se de criança ou adolescente, conforme previsão da Lei n. 9.455/1997.

Compartilhe