Briga entre irmãos para namorar uma JUMENTA acaba em tragédia 

Briga entre irmãos para namorar uma JUMENTA acaba em tragédia

Briga entre irmãos para namorar uma JUMENTA acaba em tragédia

O homem identificado como Antônio e conhecido como “Chico Doríco” se apaixonou pela jumenta

Homem apaixonado por Jumenta mata o irmão depois de descobrir que ele também tinha relações com o animal. Briga entre irmãos para namorar uma JUMENTA acaba em tragédia.

Leia mais: Filho esquarteja o próprio pai e usa o cadáver como “rack” de TV

O caso dos irmãos que mantinham um relacionamento com uma jumenta repercutiu nesta semana. A situação ocorreu no município de Exu, no interior do estado de Pernambuco e divisa com o Cariri cearense.

O homem identificado como Antônio e conhecido como “Chico Doríco” se apaixonou pela jumenta e teve relações com o animal por cerca de quatro anos até descobrir que seu irmão também mantinha um caso com o animal, o relacionamento foi descoberto pelo pai de Antônio. Para acabar com a intriga entre os irmão, seu José negociou a jumenta, que foi trocada por um burro.

Antônio ficou revoltado e acabou matando o irmão a tiros de espingarda, o pai só não foi morto pelo filho porque fugiu do local. A situação ganhou repercussão na cidade pelo fato de ser um caso de zoofilia.

A Polícia Civil do município de Exu informou à Redação Web do Diário do Nordeste que repassará mais informações sobre a situação de Antônio na próxima segunda-feira (19). Em decorrência do feriado, o policiamento funciona em regime de plantão.

Briga entre irmãos para namorar uma JUMENTA acaba em tragédia

Comissão de Meio Ambiente da Câmara aprova a inclusão da zoofilia na lista de crimes ambientais. O projeto de lei (PL 3141/12) é do deputado Ricardo Izar, do PP paulista, que chegou a presidir uma Comissão Parlamentar de Inquérito para investigar os maus-tratos contra animais. Atualmente, a Lei de Crimes Ambientais (Lei 9.605/98) já prevê detenção de três meses a um ano para quem abusa, fere ou mutila animais silvestres, domésticos ou domesticados. Em caso de morte do animal, a pena tem acréscimo de 1/6 a 1/3 de duração.

Compartilhe