Bebê morre com intestino perfurado no Menandro de Faria

Bebê morre com intestino perfurado no Menandro de Faria

Bebê morre com intestino perfurado no Menandro de Faria

A família acusa de negligencia médica no Hospital Menandro de Faria

De acordo com matéria veiculada no Programa Ronda da TV Aratu do dia 22 dessa quinta- feira, um bebê recém-nascido veio a óbito após um suposto procedimento de intubação da criança no Hospital Geral Menandro de Faria (HGMF), em Lauro de Freitas, região metropolitana de Salvador porque estava com complicações de saúde.

Leia mais: Menino de 10 anos se casa com criança de 8 e causa revolta! Imagens
Leia mais: Mulher mata namorado e serve o corpo a dezenas de pessoas como alimento

A mãe da criança que não teve a identidade revelada, informou que a médica que atendeu seu filho, não fez a ultrassonografia para verificar onde estava o aparelho de ventilação.

Segundo ela, esse poderia ter sido o motivo da perfuração no intestino da criança no hospital.

Em matéria, a mãe da bebezinha disse que não vai descansar enquanto não tirar essa médica do hospital por causa da suposta negligência. Aguardamos o contato do Hospital para esclarecer o caso.

A intubação traqueal é “a introdução de um tubo na luz da traqueia”. Pode ser realizada por meio das narinas (via nasotraqueal), da boca (via orotraqueal) ou por abertura na parede da traqueia (transtraqueal). 

É o método ideal para o controle da via respiratória durante a ressuscitação, e deve ser realizada sem interromper as manobras de ressuscitação por mais de 30 segundos, sendo rápida e precisa, como medida essencial para qualquer tentativa de ressuscitação e realizada tão logo indicada.

A via orotraqueal é, em situação de emergência, preferível à nasotraqueal, essa é contraindicada nos casos de PCR. Nas anomalias anatômicas e fraturas, a intubação oro ou nasotraqueal pode ser difícil ou mesmo impossível. Nesses casos, realiza-se cricotireoidostomia por punção ou cirúrgica.

São indicações da intubação traqueal:

• Parada cardíaca com compressões sendo realizadas;

• Incapacidade de um paciente consciente, ventilar adequadamente;

• Incapacidade de proteger as vias aéreas do paciente (coma, arreflexia ou parada cardíaca);

• Incapacidade do socorrista em ventilar o paciente inconsciente com os métodos convencionais;

• São vantagens da intubação traqueal: 

• Prevenir a aspiração de conteúdo gástrico e de corpos estranhos;

• Possibilitar uso de ventilação com pressões mais altas, sem risco maior de distensão gástrica, facilitando assim a ventilação e a oxigenação alveolar;

• Estabelecer uma via de acesso para a administração de medicamentos.

O paciente deve ser pré-oxigenado e se estiver respirando espontaneamente, deve-se apenas fornecer oxigênio suplementar com fluxo alto por 3 minutos, caso contrário, deve-se auxiliar a ventilação com máscara-balão. 

Na falha da tentativa de intubação traqueal, volta-se a ventilar o paciente antes de nova tentativa. O paciente não deve ficar mais que 30 segundos sem receber oxigênio.

Compartilhe