Lula

Fala de Lula sobre sequestro de Abílio Diniz em Alagoas virou munição para bolsonarista nas redes sociais

Em seu giro de três dias por três estados do Nordeste, o pré-candidato do PT à Presidência da República, Luiz Inácio Lula da Silva, viu o seu vice, Geraldo Alckmin, ser vaiado pela primeira vez. O petista ainda aproveitou a viagem para sacramentar a aliança com um governador do MDB, Paulo Dantas , de Alagoas, que participou de um ato ao seu lado.

Veja também: Vaza suposta foto da tatuagem no ânus de Anitta! Veja

Desde que Alckmin foi escolhido vice na chapa havia o receio entre os petistas de que ele fosse vítimas de vaias por parte da militância, como era rotina em 2002 com o então vice de Lula, o empresário José Alencar. O ex-governador de São Paulo, porém, vinha conseguindo escapar de passar por esse constrangimento.

Em alguns eventos, Alckmin era chamado ao palco ou ao microfone junto com Lula, justamente para não ficar exposto às vaias. Mas na última quinta-feira, o nome do ex-tucano, que enfrentou o PT em duas eleições presidenciais (2006 e 2018), foi vaiado nas duas vezes em que foi anunciado no estádio das Dunas, em Natal, onde foi realizado um ato a favor da pré-candidatura de Lula.

Coube à presidente do PT, Gleisi Hoffmann, defender Alckmin ao afirmar que no palanque de Lula poderia ter “gente com quem a gente divergiu, mas que é a favor da democracia e contra Bolsonaro”. O pré-candidato a vice não comentou as vaias.

No dia seguinte, em evento em Maceió, Lula defendeu Alckmin ao dizer que é preciso “juntar os divergentes para vencer os antagônicos”, uma frase que tem sido repetida pelo ex-presidente para justificar a aliança com o antigo adversário.

No mesmo evento, Lula viu o governador local elogiá-lo. Paulo Dantas afirmou que o petista foi “o maior presidente que o Brasil já teve”. O MDB lançou a senadora Simone Tebet (MS) como pré-candidata do partido ao Palácio do Planalto. Mas Dantas, aliados do senador Renan Calheiros (AL), não deve se engajar na campanha da sua colega de legenda e, sim, na do petista.

Ainda em Maceió, Lula, ao falar de Renan, rememorou uma passagem que acabou servindo de munição para que bolsonaristas o atacassem nas redes sociais. O petista contou que em 1998 procurou o então presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) para libertar os sequestradores do empresário Abílio Diniz da prisão. Diniz havia sido sequestrado em 1989. Os sequestradores estavam presos há dez anos e entraram em greve de fome. Renan era o ministro da Justiça de FHC.

Esses jovens, que tinham argentinos, tinha gente da América Latina, ficaram presos 10 anos. Teve um momento que eu fui conversar com o Fernando Henrique Cardoso porque eles estavam em greve de fome e iam entrar em greve seca que é ficar sem comer e beber. A morte seria certa. Aí então eu fui procurar o ministro da Justiça chamado Renan Calheiros, disse.

Lula relatou então que o tucano teria respondido que libertaria os presos se ele os convencesse a acabar com a greve de fome, o que acabou acontecendo.

Um minuto, por favor…

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras custa tempo e dinheiro. Nós, do DEOLHO News, temos o compromisso diário de levar até os leitores conteúdos críticos, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Se você acredita no nosso trabalho, apoie da maneira que puder ou, se preferir… Faça uma Doação CLICANDO AQUI

Compartilhe